Amastha é homenageado durante comemorações dos 30 anos da Frente Nacional de Prefeitos

O ex-prefeito de Palmas e ex-presidente da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) Carlos Amastha foi homenageado nesta terça-feira, 26, em Brasília, durante as comemorações dos 30 anos da entidade. As celebrações tiveram início em sessão solene na Câmara dos Deputados, com a presença de parlamentares e prefeitos. Em seguida foram realizadas várias homenagens na sede da FNP com a presença do presidente do Senado Davi Alcolumbre e do senador e líder do governo, Eduardo Gomes.

“A vida acontece nas cidades, nos milhares de municípios brasileiros. Por isso, as prefeituras têm um papel fundamental para que as necessidades dos cidadãos sejam atendidas”, disse Amastha acrescentando que experiências exitosas de Palmas foram conhecidas no Brasil inteiro quando ele esteve na FNP.

Ao discursar, o deputado federal tocantinense Vicentinho Junior também reforçou a importância do municipalismo. “A união classista dos prefeitos é que fortalece o bom debate”, disse ele parabenizando o ex-prefeito pela gestão da Capital tocantinense. “Você Amastha brilhantemente superou as expectativas de todos os palmenses e tocantinenses e fez uma excelente gestão à frente da prefeitura de Palmas. Foi um prefeito que inovou e fez o que o palmense mais precisava em várias áreas como saúde e educação”, complementou.

Alcolumbre, por sua vez, relembrou que Amastha fez uma excelente interlocução com o Congresso quando assumiu a presidência da FNP. Eduardo Gomes destacou os esforços de Amastha em prol do desenvolvimento e crescimento dos municípios.

Políticas Públicas
O presidente da FNP e prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette, lembrou que muitas políticas públicas federais nasceram dos debates com os prefeitos, mas cobrou um redesenho do atual pacto federativo para que as responsabilidades do Estado, dos municípios e da União estejam claramente definidas.

“Hoje tudo é responsabilidade do prefeito. No entanto, muitas vezes o orçamento não possibilita que isso seja cumprido”, disse ele ao defender maior participação dos prefeitos nos debates sobre a reforma tributária.

A FNP é a uma entidade municipalista nacional dirigida exclusivamente por prefeitas e prefeitos em exercício. Tem como foco de atuação os 406 municípios brasileiros com mais de 80 mil habitantes, recorte que abrange 100% das capitais, 60% dos habitantes e 75% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. (Com informações da FNP).

Roberto Assis, Delegado de Colméia, Goianorte e Itaporã. Formado pela UFG – Universidade Federal de Goiás. Em entrevista para a Revista Together News, ele conta um pouco de sua história e como chegou a ser Delegado

Roberto Assis, exerce a profissão de Delegado dentro de um (1) ano em Colmeia – TO, porém antes de ser Delegado já foi Agente de Polícia em Goiânia – GO, por oito (8) anos, e antes disso também foi Bombeiro por cinco (5) anos, também em Goiânia – GO.

A função de um Delegado, ele preside as investigações da polícia, efetua prisões, faz a coleta de provas pra convencer o Juiz a deixa o suspeito preso, tudo isso tá na Lei. O que sempre me atraiu na carreira policial é um cumprimento de um dever, tornar nossa sociedade um pouco melhor, pouco mais harmoniosa, e fazemos isso através do Combate ao Crime, como muita energia e com muito amor, pois hoje a Polícia Civil, não se limita em fazer prisões, investigar, prender bandidos, seja eles dos altos escalões de políticas consagradoras ao bandido que trafica drogas a nossa esquina, a Polícia Civil não se limita só a isso, hoje fazemos palestras educativas, trabalhamos também com a prevenção, que conversando com os alunos nas escolas agente percebe que ao mesmo tempo nos previne futuramente, pois esses jovens que hoje ouve palestra no futuro eles não vão querer usar drogas e cometer crimes. Citou o Delegado.

Hoje com 34 anos de idade desde de criança brincava de polícia e ladrão. Geralmente eu sempre era o ladrão, eu amava correr, amava me divertir, más vamos amadurecendo as idéias e muito cedo eu entrei no Corpo de Bombeiros, e dentro do Bombeiro eu já sabia que queria algo más, eu já ajudava as pessoas, agente fazia salvamento aquático, salvamento em altura, resgate de pessoas acidentadas. Más eu via que poderia fazer mais, e logo em seguida fui ser Agente de Polícia, com o sonho de um dia ser Delegado de Polícia e graças a Deus, ele me concedeu essa sonhada honra. Quando, Agente de Polícia me sentia limitado, porém com meu cargo não poderia ir além, e isso me motivou muito a ser Delegado, o desejo de ir além, isso é a base de todas as profissões, ir além, é esse além que nos traz uma recompensa que não tem preço. Ressaltou o Delegado.

Delegado Roberto Assis em Palestra

 

 

 

 

 

A recompensa é plena quando o Delegado ama o que faz, muitas vezes fica longe da família, devido as substituições. Na medida que um Delegado vai progredindo na carreia, ele pode escolher um Lugar pra ir, essa movimentação de Delegado dentro no Estado é natural, depende muito dos Chefes de Polícia, más não existe um tempo determinado, a qualquer momento eu posso ser designado a trabalhar em outra delegacia. Ficamos sempre com momentos marcantes na carreira por onde passarmos, eu me lembro certo acontecimento em Goiânia – GO, prendemos um rapaz que era gago, ele não conseguia conversar muito bem, más comigo ele conseguia conversar com mais desenvoltura, e eu me lembro que eu peguei ele coloquei no carro e levei ele pra comer um lanche porque havia dois dias que ele tava sem comer nada, e agente por más que tenhamos que fazer prisões, agir com rigor e sermos duros ao combate ao crime, isso não nos impede de sermos humanos em primeiro lugar, antes de Delegado de Polícia sou um Homem e também sou humano e logo tenho que ter compaixão pelo os meus semelhantes, me lembro que eu peguei ele escondido, imagina se esse preso escapa, foge, eu morrendo de medo dele fugir, eu falava assim: você não vai tentar fugir não, de jeito nenhum, ele ficou muito satisfeito, o agradecimento dele demorou cinco (5) minutos, pois era gago.

Passou-se quatro (4) semanas, ele já estava solto, ele voltou na delegacia com um presente um carrinho de polícia pra me presentear como forma de agradecimento de eu ter tratado ele como ser humano, que é minha obrigação, as vezes agente quer ser muito rigoroso e esquecemos que ali é uma pessoa que cometeu um deslize, como qualquer outra, e cabe a Polícia Civil ser uma Polícia humana, foi se o tempo da polícia que batia e depois perguntava, então percebi que ele ficou muito agradecido, diferentes de muitos outros presos, pois muitos saem da prisão piores do que entraram e as vezes acontece de agente prender a pessoa por mais tempo.

Delegado, faz uma análise de segurança do Estado do Tocantins. A segurança do Estado do Tocantins é muito regular, Tocantins é um Estado novo, posso falar pela Polícia Civil, de dois (2) anos pra cá melhorou eu diria 60% a 70%, tanto em efetivo como em qualificação e estrutura de delegacias, ainda não é o ideal, precisamos de mais policiais, más pelos os policiais que temos fazemos um bom trabalho. Isso também não impedem de um de nós chegar a perder determinado cargo, qualquer uma das pessoas que trabalha na Polícia chegar a cometer algum crime de corrupção, aceitar dinheiro em troca de algum trabalho, caso pratique algum crime de tortura e lógico crimes como tráfico de drogas ou chegar matar alguém entre outros. Antes de sermos Delegados somos investigados rigorosamente pela Polícia Civil, agente não pode ter nenhuma passagem pela polícia, nenhum tipo de registro contra sua pessoa, tudo isso pra deixar entrar os melhores, com comportamentos ilibado, pra que seja exemplo na sociedade. Citou o Delegado.

Falo aos jovens que sonha em ser Delegado, mantenha a persistência e a confiança em Deus, peça mais capacidade, mais ânimo, tá na Faculdade aproveite bem o tempo, aproveite pra estudar, é durante a Graduação que percebemos a pessoa que vamos nos tornar. Seremos todos colegas do Sistema Criminal. Espero que quando passarem em algum concurso venha aqui até mim para eu poder parabenizar e confraternizarmos juntos. Finalizou.

Darlan Silva, Coreógrafo e Produtor Cultural de Redenção no Estado do Pará, conta sua trajetória de vida e conta um pouco dos projetos em entrevista para a Revista Together News

Darlan Silva Santos, 51 anos, nascido em Igarapé Açu – PA, produtor cultural desde do início da década de 90, transitando por diversos saberes e expressões culturais. Pedagogo formado pela UAB – Universidade Aberta do Brasil e CEFET – Centro Federal de Educação Tecnológica, ativista cultural com experiência em várias expressões culturais em Redenção e região.

Entre 95 a 98 trouxe para redenção o grupo de Dança Toadas, que teve grande expressividade na comunidade Redencense, tendo sido convidado por diversas Unidades Escolares para transmitir o saber aos educandos.

Sendo este grupo o primeiro a trazer este tipo de expressão cultural genuinamente amazônica para Redenção. Ainda na década de 90 passou a fazer trabalho voluntários nas Escolas do Município envolvendo dança.

Participou ativamente como delegado, dos vários processos de conferências de cultura, tanto nos níveis Municipais quanto Estadual, nos anos de 2007 a 2013. De 1992 a 2019, vem participando de todas as edições do evento denominado “Cidade Frente a Frente”, que é evento cultural realizada na cidade de Conceição do Araguaia – PA, com participações de toda a região Araguaia Paraense, tendo sido destaque em premiações em quase todas as edições.

Em 2005 a 2007, realizou oficinas de dança contemporânea pelo IAP – Instituto de Artes do Pará, sendo a primeira em Belém e a segunda em Redenção. De 2007 a 2017 participou ativamente no Grupo de Quadras Juninas Explosão de Redenção na parte de figurino, tema e coreografia.

Em 2009 passou a desenvolver atividades relacionadas ao Universo da Moda, planejando e executando a primeira edição do Projeto Miss Redenção Tee, que, em decorrência de ter sido bem aceito pela comunidade Redencense, apesar das dificuldades financeiras e pouco (ou inexistente) incentivo por parte do poder público, mantém o projeto vivo até a presente data.

Cantora evangélica do Tocantins grava primeiro EP da carreira e conta sua história em entrevista para a Revista Together News

A jovem cantora tocantinense Ida Valéria, 19 anos, mora em Goianorte, cidade com cerca de 5,1 mil habitantes, e sonha em levar a palavra de Deus o mais longe possível através da música. Ela canta desde os 6 anos de idade, já participou de vários concursos musicais e recentemente estreou no Youtube com a canção ‘Você Mais Deus’ e gravou um EP numa gravadora de Goiânia. Em entrevista, ela contou um pouco de sua história e sonhos. Colaborou o professor Raione Nunes.

Quem é Ida Valéria?

Sou uma jovem cheia de sonhos, moro no munícipio de Goianorte e tenho 19 anos. Eu comecei a cantar com 6 aninhos de idade, bem criança. Sou evangélica desde minha infância na Igreja Assembleia de Deus Ministério Ciadseta, Congregação Monte Horebe, situada no povoado Esperança Bendita. Moro com os meus pais.

Como surgiu o sonho de ser cantora?

Desde o ventre da minha mãe, Deus já tinha me escolhido, tenho um chamado de Deus há muito tempo, aí eu resolvi dar início ao que o Senhor preparou para mim. Gosto muito de cantar, amo cantar, gosto do que eu faço, sonho muito com aquilo que o Senhor Deus preparou para mim e sei que irei muito longe, para a honra e a glória do meu Deus, para adorá-lo e exaltá-lo.

Quem são as pessoas que sempre apoiaram você?

Meus pais, amigos, familiares.

Você já participou de algum concurso musical?

Participei de vários concursos musicais antes da minha gravação, inclusive ganhei em primeiro lugar no show de talentos do Colégio Estadual Antenor Barreira, em Goianorte, evento criado pelo professor Raione Nunes em 2018. Esse foi o meu último concurso musical.

Como você chegou até a gravadora?

Cheguei na gravadora Elo Da Graça, em Goiânia (GO), através de uma indicação de um amigo da minha produtora. Meu maestro, empresário e produtor musical, Leandro Kayxoth, e sua esposa, Wenilda Vieira, são os meus produtores musicais.

Qual é o seu objetivo como cantora?

Primeiramente, ganhar almas para o reino de Deus através do meu louvor e também adorar de corpo e alma aquele que é digno de toda honra e de todo louvor e adoração, que é o nosso Deus. Além disso, quero que a cada dia Deus possa me usar como precioso vaso nas mãos Dele, que Ele possa fazer maravilhas através dos meus louvores, como curas, bênçãos, milagres, restauração, renovo espiritual e muito mais que só o nosso Deus pode fazer. Também pretendo viver tudo aquilo que o meu Deus prometeu e planejou para a minha vida, e viver a história que foi escrita para toda a minha trajetória.

Assista ao louvor ‘Você Mais Deus’